Saiba mais sobre os donativos AQUI

» Paypal ou Cartão de Crédito «

Valor do Donativo:


Mais Lidos

  • No Silêncio eu Sou No Silêncio eu Sou
    No Silêncio... No Silêncio reencontro o Som que sempre soou sem que eu o ouvisse; aquele que ecoa dentro do útero da minha Alma como a voz da eternidade debruçada sobre o tempo. No Silêncio não encontro o longe nem o perto, pois tudo é momento. Ali a vida se…
    Escrito por
    Escrito em março 19, 2016 Lido 18491 vezes
  • A História Oculta de Portugal A História Oculta de Portugal
    Caminhava por um jardim imenso, de tons predominantemente azuis, com Madalena a meu lado. A Maria não estava junto de nós tendo ficado aos cuidados de uma jovem. Aquele jardim ficava no interior do edifício do conselho no centro do qual estava o Templo. A cidade de Lis-Fátima era um…
    Escrito por
    Escrito em março 05, 2016 Lido 6340 vezes
  • Sejamos Árvores Sejamos Árvores
    Como acabar com a dualidade continuando a viver no mundo? Como fazer com que o jogo do bem e do mal, do certo e do errado, termine definitivamente em nós? Enquanto fazia esta pergunta a imagem que me vinha era a de uma árvore. A árvore está plantada nas suas…
    Escrito por
    Escrito em fevereiro 14, 2016 Lido 5303 vezes
  • Soltando a Dor Soltando a Dor
    Este vazio que nos toca sempre que a Alma se apresenta diante das nossas dores, sorrindo-nos como que percebendo a acção benigna desse grande alquimista que tudo transforma, é a maior graça que um ser pode receber, pois ali está a Cura de toda a sua ancestralidade e o resgate…
    Escrito por
    Escrito em janeiro 04, 2016 Lido 4900 vezes
  • Da Lei da Atração à Lei da Abundância Da Lei da Atração à Lei da Abundância
    Enquanto seres encarnados todos nós estamos sujeitos a várias Leis. Desde as Leis materiais que tentam regular a vida dentro do universo manifestado, como é o caso da Lei do Carma, até às Leis Espirituais que nos impulsionam para fora deste universo através da sintonia com a Vida que nele…
    Escrito por
    Escrito em outubro 09, 2015 Lido 4319 vezes
  • Uma Nova Visão do Karma Uma Nova Visão do Karma
    Nas antecâmaras do tempo, ecoa ainda hoje o Sim que todos nós pronunciámos quando nos foi perguntado se estávamos dispostos a servir no planeta a que damos o nome de Terra. De diferentes moradas cósmicas, de diferentes quadrantes deste Universo-Mãe, legiões de seres deslocaram-se para aqui com a tarefa de…
    Escrito por
    Escrito em janeiro 05, 2016 Lido 3446 vezes
  • Mensagem de Ano Novo Mensagem de Ano Novo
    Que possamos neste novo ano silenciar e permitir que a dimensão da Alma se faça cada vez mais presente na simplicidade da Vida. Que nos entreguemos aos momentos que essa Vida nos traz, em alegria e gratidão, sem construir nenhuma máscara em torno dessa realidade, pois toda a construção da…
    Escrito por
    Escrito em dezembro 31, 2015 Lido 2458 vezes
  • No Rescaldo de Paris No Rescaldo de Paris
    Os atentados de Paris mostram-nos, mais uma vez, que algo está muito errado no mundo, não apenas do lado dos extremistas e seus fundamentalismos, mas também da forma como nos relacionamos com os outros que se encontram para além dos muros daquilo a que chamamos ocidente. Não nos podemos acomodar…
    Escrito por
    Escrito em novembro 18, 2015 Lido 2433 vezes
  • Na Senda do Discípulo Na Senda do Discípulo
    A senda do discípulo, como vem sendo referido ao longo dos tempos em toda a tradição esotérica que vem desde Blavatsky, sempre foi um trilho estreito. Um trilho de muitas provações em que esse mesmo discípulo era testado na sua fé, entrega e aspiração, até se encontrar com o Mestre…
    Escrito por
    Escrito em outubro 15, 2015 Lido 2413 vezes
  • O Caminho Iniciático O Caminho Iniciático
    Quando a nossa consciência deixou os patamares superiores do universo e se debruçou sobre as esferas temporais, lançando-se nessa aventura cósmica que é a encarnação, ela o fez estabilizando a sua luz em diferentes planos dimensionais, servindo-se para isso de corpos de matéria diferenciada. Foram assim criadas as Mónadas, as…
    Escrito por
    Escrito em novembro 26, 2015 Lido 2323 vezes
  • A Função Espelho A Função Espelho
    No cosmos, a comunicação é feita por aquilo que se conhece como sistema de espelhos, que permite que a energia flua sem distorção, imaculada, mantendo o seu timbre e a sua nota programática e arquetípica. Este sistema é o ponto de equilíbrio do próprio universo onde nos encontramos, seja um…
    Escrito por
    Escrito em novembro 24, 2015 Lido 2127 vezes
  • O Silêncio O Silêncio
    O silêncio é a nota profunda e imaculada do nosso estado original. É a Voz da eternidade debruçada sobre o tempo; um doce murmúrio que Deus sussurra em nosso ouvido. É uma suave fragrância da Alma que preenche o vazio onde tudo se manifesta. Um aroma sagrado que abre nos…
    Escrito por
    Escrito em outubro 15, 2015 Lido 2029 vezes
  • A Nova Família A Nova Família
    Uma nova forma de relacionamento entre dois seres, que em conjunto dão expressão a um casal, está aos poucos a despertar na consciência de muitos, não pelo desejo emocional de o concretizar mas pela nota interna emitida por esses seres que percebem que nenhuma outra forma de relacionamento, que não…
    Escrito por
    Escrito em outubro 09, 2015 Lido 2019 vezes
  • O Arqueiro ZEN O Arqueiro ZEN
    No silêncio do ser, na expressão terna desse momento que tudo pacifica quando aprendemos a não resistir à Vida, mas através desta fluir com o tempo e com o espaço, deixando que seja Ela a viver em nós, tudo regressa à nota primordial da nossa encarnação, e não mais será…
    Escrito por
    Escrito em setembro 12, 2015 Lido 1998 vezes
  • A Verdadeira Liberdade A Verdadeira Liberdade
    Aos olhos da nossa personalidade, a vida é feita de escolhas e a cada instante temos que pesar em nós o que realmente é importante e essencial para a nossa caminhada neste mundo. Podemos optar pelos belos fogos de artifício que nos deslumbram e fascinam mas que, de tão efémeros,…
    Escrito por
    Escrito em janeiro 07, 2016 Lido 1781 vezes
  • Da Observação à Contemplação Da Observação à Contemplação
    Quantas não foram as vezes que dissemos para nós mesmos que somos seres despertos, seres que deixaram a ignorância de uma vida virada para as coisas materiais e passaram a se interessar por temáticas espirituais, sem nos apercebermos que o verdadeiro despertar não vem do interesse que possamos ter neste…
    Escrito por
    Escrito em outubro 09, 2015 Lido 1747 vezes
  • Estados Gripais Estados Gripais
    Vivemos tempos muito peculiares. Se no passado estivemos amordaçados sob o peso da moral religiosa, submersos pelos seus dogmas que condicionaram a plena expressão do Ser, hoje estamos no extremo oposto, construindo novos dogmas. Tentamos mostrar às pessoas que elas podem ser tudo aquilo que quiserem, que através de uma…
    Escrito por
    Escrito em setembro 08, 2015 Lido 1730 vezes

A História Oculta de Portugal

A História Oculta de Portugal
05 Mar.
2016

    Caminhava por um jardim imenso, de tons predominantemente azuis, com Madalena a meu lado. A Maria não estava junto de nós tendo ficado aos cuidados de uma jovem. Aquele jardim ficava no interior do edifício do conselho no centro do qual estava o Templo.

    A cidade de Lis-Fátima era um lugar de sonho. Construída dentro de uma imensa cavidade que se estendia num amplo horizonte, toda a cidade irradiava uma luz suave de tons azuis-claros que impregnava tudo com a harmonia que se podia respirar através das cores, dos sons e das fragrâncias. Os edifícios eram construídos com um cristal desconhecido na terra que interagia com o pensamento dos habitantes, podendo estes alterar a sua textura, cor e opacidade pela simples emissão dessa vontade, pelo que nenhuma estrutura era estática aos nossos olhos, pois a sua superfície estava em constante mutação.

    Em torno do edifício central, numa planta triangular, encontravam-se os núcleos da Educação e da Ciência, da Cura e da Harmonia e o núcleo da Cultura e da Criatividade. Estes eram núcleos que funcionavam como escolas na formação dos jovens dentro de cada um dos sectores e ao mesmo tempo funcionavam como núcleos produtivos para as respectivas áreas. Em volta desses edifícios, a vegetação, de tons predominantemente azuis, era rasgada por pequenos canais de água cintilante que envolviam toda a cidade. Essa água vinha das vertentes laterais daquela imensa cavidade em cascatas de luz que brotavam da pedra num espectáculo como nunca tinha visto. Era ali que ia com a Maria muitas vezes, apanhando um dos veículos públicos que circulavam sobre viadutos e que, em poucos segundos, nos deixavam nos lugares respectivos.

    O anel externo que fechava a planta da cidade era composto por doze núcleos habitacionais, no centro dos quais existia o edifício comunitário para onde as famílias convergiam na partilha de uma vida em comum que não era regida pelo dinheiro nem pela competição. Foi num desses núcleos, nos quartos reservados aos visitantes, que Madalena nos deixou quando ali chegámos, dando-me total liberdade para me deslocar por aquele lugar e interagir com os seus habitantes. Pelos seus trajes, percebia-se facilmente quem vivia a tempo inteiro naquele lugar, vestindo túnicas de um tecido orgânico e levemente luminescente numa tonalidade rosa branqueada, e aqueles que tinham tarefas noutros lugares, incluindo a superfície, e que usavam roupas de corpo inteiro, de uma só peça, que se colavam ao corpo como se fossem uma segunda pele.

    A cidade, a que chamávamos Lis-Fátima, na verdade tinha um outro nome. O seu verdadeiro nome era Anuea. Madalena explicara-me que os nomes adoptados nas suas comunicações com a superfície eram muitas vezes criados em função daquilo que era necessário plasmar no mental colectivo das pessoas como forma-pensamento ao nível dos arquétipos e dos símbolos, já que o verdadeiro nome da cidade vinha de um dialecto que não era terrestre e que, por isso mesmo, não poderia incorporar termos das línguas da superfície.

    Anuea era a cidade principal, um filamento directo de um outro centro que conhecemos com o nome de Anu Tea. Era como se a sua forma fosse tecida pela energia de Anu Tea e a sua essência pela energia de Lys, cujo nome também era outro, embora esse Madalena não me tenha revelado. A cidade de Anuea tinha sido fundada há doze mil anos no fim do período Atlante como instrumento necessário para preparar a humanidade para o novo ciclo que se avizinhava, pois sempre fora esse núcleo que mais directamente trabalhou com o homem da superfície. Foi daqui que a fundação de Portugal foi preparada como um prolongamento directo dos conselhos deste centro, tendo por detrás o centro de Lys que nunca se apresentou directamente, fazendo-o através da lente de Lis-Fátima — Anuea —, que sempre foi o rosto oculto dessa tarefa.

    Enquanto caminhava por aquele jardim na direcção do Templo, não pude deixar de pensar como seria bom se o mundo da superfície fosse como aquele lugar.

    — Em breve será, Vera — Disse Madalena a meu lado, lendo os meus pensamentos. — O que aqui vês é um protótipo da nova terra que desperta.

    — Fico feliz que assim seja.

    — Hoje trouxe-te pela primeira vez a este lugar para falar um pouco da tua missão e da história de Portugal que ainda não é conhecida dos homens, mesmo daqueles que têm uma busca espiritual da mesma. Chegou a hora dessa informação ser desvelada, para que todos possam compreender a tarefa que têm pela frente.

    Já próximo do templo, Madalena sentou-se no parapeito de pedra de um lago circular que antecedia a entrada no templo, convidando-me a sentar junto de si. As águas do lago eram dinâmicas, mudando de cor e de textura consoante os pensamentos que emitíamos na sua direcção. Por momentos, fiquei de olhos no lago deliciada com aquele jogo, mas logo olhei para Madalena que me sorria de forma suave e profunda.

    — É com grande alegria que vejo chegar ao fim um longo ciclo de preparação de uma tarefa que finalmente irá cumprir-se. A tua vinda a este lugar estava preparada há muito tempo, pois és tu que levarás para a superfície a chave que irá dar início a todo o processo que durante séculos foi preparado, ajustado, alterado, tudo em função dos movimentos duais daqueles que, encarnados, iam respondendo de forma mais ou menos alinhada com o propósito. Tu mesma, no passado, não cumpriste parte daquilo que te estava destinado e hoje aqui estás para resgatar esse carma e finalizar todo o processo. — Ela olhou o pequeno lago e este ficou como um espelho sem ondulação. Fixou-me depois. — No nosso primeiro encontro, tinha-te falado da Ordem de Mariz e agora revelo-te que tu e o João fazem parte do conselho dessa ordem que é formada por doze elementos. Esses doze seres foram aqueles que tiveram papéis de destaque na história de Portugal como personagens chave no desenho que era necessário manifestar para a preparação deste país para a sua tarefa planetária ainda por cumprir. E assim foi, até Portugal entrar no deserto no início do século XVI e a sua Alma ter-se recolhido, ficando a condução do país nas mãos do livre arbítrio dos homens encarnados. Até esse período, no entanto, os destinos e a condução deste país esteve sempre nas mãos desses doze conselheiros, de mim mesma, como grão-mestre da Ordem, e dos conselhos internos de Anuea que coordenaram tudo em função dos planos para a implementação de uma Nova Terra na superfície do planeta.

    » Mas deixa-me contar-te um pouco da História de Portugal para que compreendas melhor a função que lhe está destinada. — Ela olhou novamente para o lago fazendo surgir neste, a imagem de Jesus na cruz. — Foi aqui que tudo começou, Vera. Aos olhos do mundo de hoje o que começou com este episódio foi a criação de uma nova religião, mas isso foi apenas a parte externa e menos importante. O que realmente começou aqui foi uma outra história que ainda não é conhecida.

     A figura de Jesus aproximava-se, como se uma câmara estivesse a fazer um zoom. A sua expressão transmitia uma segurança e uma solidez que me fortalecia por dentro só de o observar. Ele levantou o rosto e fixou aqueles que se encontravam aos seus pés na cruz dizendo: «Maria, este agora é o teu filho, e João esta agora é a tua Mãe.»

    — Este episódio sempre foi mal interpretado, Vera. A Maria a quem Jesus se dirigiu não foi a sua mãe mas eu mesma, sua esposa. E o que ele fez foi selar a tarefa futura que estava por realizar, dizendo: «Maria, este agora é o teu discípulo, e João esta agora é a tua Mestre.»

    O lago voltou a ficar sem imagens, permanecendo como um espelho.

    — A partir deste momento eu e João passámos a ser o coração da tarefa e a nós juntaram-se doze novos discípulos que seguiram connosco para Éfeso onde foram escritos os evangelhos hoje conhecidos como apócrifos para que a verdadeira essência dos factos ali ocorridos não se perdesse. Antes disso, tive ainda a oportunidade de criar as bases da verdadeira igreja primitiva que mais tarde viria a ser abafada em Niceia e, muitos séculos depois, massacrada no sul da França com o extermínio dos Cátaros. Após a igreja estar estabilizada, e já em Éfeso, foi criada a comitiva que junto com os 14 — Eu, João e os doze novos discípulos — iria rumar ao ocidente. Nesta encontrava-se Sara, minha filha e de Jesus, que numa encarnação futura iria ser Isabel, rainha de Portugal.

    Vi então reflectidas nas águas do lago as imagens da comitiva que partiu para a costa onde embarcou. Dali rumou para o Egipto onde permaneceu algum tempo.

    — A nossa estadia no Egipto há muito que estava programada, pois era necessário transportar para o ocidente a essência do trabalho que durante séculos se realizou naquele país sobre os auspícios de Seraphis Bey, no templo da Ascensão em Karnac. Este trabalho estava ligado com a Ascensão da Matéria e, por isso mesmo, com o Espírito Santo e a sua manifestação. No centro do Templo, onde entrei sozinha, encontrava-se o verdadeiro Graal. Era formado por três pedras de um cristal que não existe no planeta e cuja origem não é sequer solar, mas sim estelar.

     Vi as pedras com tal nitidez que era como se estivesse na sua presença. Existiam duas pedras menores e uma maior no centro e, sobre estas, elevava-se uma chama. A minha vontade, enquanto olhava, era ajoelhar-me, tal a sacralidade daquilo que observava.

     — As duas pedras menores são pedras de sustentação — continuou Madalena, — uma de polaridade feminina e outra masculina. A pedra central é a pedra de emissão e recepção que permite fazer a ligação entre o Céu e a Terra. A chama que vês sobre as pedras é o produto desse encontro, a alquimia que resulta do contacto do Céu com a Terra a que vocês dão o nome de Espírito Santo. Estas três pedras sempre funcionaram como um embaixador do Cristo na Terra, pois sobre a substância dessas pedras desceu parte da energia do Cristo e a sua radiação passou a ser o que de mais puro alguma vez tocou a superfície deste planeta. Nem mesmo Jesus, que recebeu na substância dos seus corpos a energia do Cristo, a irradiou com tanta pureza, pois os cristais que as constituem são substância ascendida, o que não acontecia na altura com a substância do corpo de Jesus e do meu próprio corpo onde o Cristo também se expressou. Estas pedras eram, e continuam a ser, o verdadeiro Graal e um farol do Cristo na Terra antes que essa entidade possa permear toda a substância planetária. E, como símbolo desse Graal, a Flor-de-Lys foi adoptada para o representar.

    Nas imagens do lago, vi Madalena com uma caixa nas mãos e toda a comitiva que a acompanhava, rumando de barco a novas terras.

    — Esta caixa, como vês, não era um vaso nem era de alabastro, como sempre foi retratada em várias pinturas, mas de um metal conhecido na Atlântida como Oricalco. – Ela olhou para mim. - Transportar esta caixa e, dentro desta, o Graal, era deslocar pelo etérico do planeta energias de um poder inconcebível para as mentes humanas, pois o que ali estava não era apenas um símbolo do Cristo, mas o próprio Cristo encarnado e Vivo. Era o vir-a-ser no tempo daquilo em que a Terra inteira se iria tornar, um imenso Graal planetário irradiando para o cosmos essa pureza. Desde que aquelas pedras chegaram à Terra, ainda no ciclo Lemuriano, que toda a programação destinada a estas foi delineada ao mínimo detalhe, e nessa programação estava a fundação de um país que deveria ser o porto de chegada desse Graal, a base de um templo-nação, a nova Jerusalém, onde o Cristo pudesse sentar-se e dali irradiar para o mundo o seu propósito. Assim como existiu no passado o Jesus-Homem, deveria existir de igual forma o Jesus-Nação que, tal como o homem, deveria receber o Cristo e pelo Cristo irradiar a Luz da substância santificada pela presença do Filho.

    Ela olhou novamente para o lago e vi as imagens do momento em que desembarcaram.

    — Do Egipto rumámos a França e, ali chegados, deslocámo-nos para a zona que muitos séculos depois iria ser conhecida como Lourdes. Ali foi realizada a primeira cerimónia na presença do Graal e plasmada uma das campânulas ligadas directamente ao Cristo. Uma campânula é uma zona restrita onde a energia da Nova Terra se faz presente, como ilhas do futuro. Nesses lugares a energia mantem-se pura, imaculada, e processos de Cura verdadeira podem acontecer com todos aqueles que permanecerem no seu interior. Várias dessas campânulas foram criadas em Portugal, após termos partido para essas terras e ali realizado várias cerimónias em pontos específicos.

    Vi então um círculo formado pelos doze e no centro, diante do Graal, vi Madalena e o apóstolo João. Estavam nas margens de um rio e o ambiente que eu podia sentir, apesar de serem apenas imagens, era profundamente sagrado. E foi então que os meus olhos fixaram um ser feminino que se encontrava no círculo e as lágrimas escorreram pelo meu rosto, tal a comoção que senti.

    — Sou eu? — Perguntei.

    Madalena Sorriu.

   — Sim, Vera. Tu eras, e és, um dos Doze, assim como o João. Esta cerimónia que aqui vês foi realizada nas margens do rio que viria a chamar-se Zêzere e que hoje é conhecido como o Lago, formado após a construção da barragem que deu origem àbacia actual; esse Lago, que sempre chamou por ti desde muito jovem e no qual te sentes em casa, pois aqui foi plasmada a principal das campânulas dessa Nova Terra que desperta. Esta cerimónia foi a primeira realizada nestas terras. Aqui foi criada a Ordem de Mariz, tendo como membros os 14 seres presentes, e fundado Portugal, embora ainda apenas na sua dimensão anímica, pois só mil anos mais tarde se daria a encarnação física dessa realidade. A Alma de Portugal, como sendo a Matriz arquetípica dessa programação, foi manifestada como realidade operante, desde esta cerimónia, em colaboração com os Conselhos de Anuea. Aqui foi fundado Portugal que recebeu a primeira iniciação e, com a sua fundação, foi criada a Ordem que iria ser a responsável por garantir a execução da tarefa destinada a Portugal. Cada um dos doze conselheiros de Mariz iria ter, mais tarde, papéis importantes como personagens chave em toda a história deste país, sendo operadores directos da Ordem de Mariz e dos Conselhos de Anuea. Durante esses mil anos até à manifestação física da realidade que ali foi plasmada, a Alma de Portugal e a Ordem de Mariz serviram-se de muitos dos povos que por aqui passaram, em particular o povo Lusitano, como operadores mais ou menos conscientes no arar da terra para a preparação da semeadura que iria acontecer mais tarde.

    » Depois desta cerimónia, Vera, onde Portugal foi fundado nos Planos Internos e a Ordem de Mariz criada pelos laços programáticos que ligavam aqueles catorze seres, o grupo deslocou-se por muitos outros lugares e, em cada um deles, outras campânulas foram plasmadas na presença do Graal, embora a sua activação só viesse a acontecer mais tarde. Após a conclusão dos trabalhos, todos rumámos de volta a França. O grupo tinha concluído a sua tarefa e podia dispersar-se. Um dos elementos do grupo, de nome José de Arimateia, teve a incumbência de levar o Graal para Inglaterra, onde iria permanecer por mil anos. Mais tarde, João, o apóstolo, viria a encarnar como Rei Artur e, em terras de Inglaterra, acabou por juntar os doze de Mariz, começando o trabalho de tecer um novo paradigma civilizacional.

    No espelho circular do lago vi as imagens de Madalena em profunda reclusão.

    — João voltou para o oriente e eu recolhi-me em oração, sendo mais tarde conduzida para o centro da Anuea de onde passei a acompanhar os destinos de Portugal, como grão-mestre da Ordem de Mariz, que sempre foi a Ordem que esteve por detrás de todas as outras.

    — E para onde foram os discípulos?

    — Ficaram por aquelas terras, transmitindo o evangelho e vivendo como pessoas simples.

    — E o que aconteceu após esses mil anos?

    Ela fez uma pausa e o silêncio instalou-se como se fosse algo físico que se pudesse tocar. Mas logo continuou.

    — É importante compreenderes, Vera, que, nos planos duais, o jogo tridimensional acontece pelo confronto entre as forças da Luz e da Sombra. Isto, em si mesmo, não é uma coisa boa nem má, mas apenas as regras desse Jogo, na lapidação necessária da substância, através da fricção entre os seus opostos para que o equilíbrio final seja alcançado. Após esses mil anos, tornou-se urgente a materialização da Alma de Portugal através da sua expressão física: a nação. E assim foi, porque os núcleos involutivos começaram a movimentar-se fortemente para assumir o controlo dos poderes do mundo. A esses núcleos nós damos o nome de Fraternidade, contrapondo com os núcleos de Luz a que chamamos de Irmandade. O confronto entre a Fraternidade e a Irmandade começa aqui, mil anos depois, quando uma Ordem é criada em França com o intuito de ir buscar à Palestina os segredos ali ocultados, tanto na forma de documentos que comprovassem a existência de uma linhagem sanguínea vinda de Jesus e de mim mesma, através de Sara nossa descendente — e com isso traçar as linhas hereditárias que pudessem revelar ao mundo uma família que fizesse parte dessa linhagem e que, sendo manipulada e colocada no trono como representante do Cristo na terra, servisse a Fraternidade nos seus interesses —, como na forma de um utensílio de grande poder que foi encontrado no Templo de Salomão e trazido para a Europa e que é conhecido como a Arca da Aliança. Quando foi percebido que a Fraternidade, através dessa Ordem que tinha o nome de Monastério do Sinai, tinha na sua posse a Arca da Aliança, fez-se necessário activar a Ordem de Mariz e seus conselheiros, de forma mais directa, e trazer de volta para o continente o Graal, pois apenas este poderia anular os poderes da Arca, assim como deitar por terra todas as pretensões da Fraternidade de colocar no trono um representante do Cristo na terra, pois a qualquer momento o Cristo se poderia dar a conhecer directamente através da presença do Graal.

    » A Ordem do Monastério do Sinai que, embora sempre tenha tentado passar-se por uma Ordem da Luz e com isso atraido para as suas fileiras muitos seres que iludidos a serviram, sempre foi uma ordem negra, ao serviço dos núcleos mais involutivos que operam na orbe terrestre. A partir de Anuea, todo um plano foi traçado para a manifestação física da nação que iria colocar no trono do mundo o verdadeiro Cristo, através da radiação do puro Amor. Começava então a história deste país, como operador físico de uma Função Interna que finalmente se irá cumprir.

    Estava completamente arrepiada. Tudo aquilo mexia com a minha Alma, como se não houvesse diferença entre esta e a Alma de Portugal. Sabia e, mais do que saber, sentia o quanto estava ligada a essa história.

    — Um dos conselheiros de Mariz que foi activado e que iria pôr todo o processo em marcha, nos planos físicos, foi Bernardo de Claraval. Desde muito jovem que o acompanhei, aparecendo-lhe em sonhos e visões e estimulando nele uma devoção ardente por mim. Sabia que era alguém que iria responder de forma exacta e precisa a todas as Orientações Internas que lhe chegassem. Embora, numa primeira fase, se tivesse perdido um pouco dentro da doutrina mais rígida da igreja, chegando a repudiar o movimento dos Cátaros, no Sul da França — que era um manifestação da Igreja primitiva que eu fundara logo após a partida de Jesus —, aquando da sua activação definitiva, a resposta foi imediata e os equívocos clarificados.

    Vi, no espelho do lago, a imagem de Bernardo a caminhar por um trilho campestre e depois a materialização de Madalena diante dele. Perante a sua imagem e a sua luz, Bernardo ajoelhou-se pousando a cabeça por terra.

    — Neste meu contacto directo com Bernardo, passei-lhe três tarefas que ele cumpriu de forma exemplar. A primeira tinha a ver com o Graal que lhe iria ser entregue em mãos e que ele deveria levar para o sul de França e entregar aos sacerdotes Cátaros, na fortaleza de Montségur. A segunda Tarefa foi a de criar a Ordem que iria ter como função proteger o Graal enquanto este estivesse em França e ajudar na fundação da nação que o iria receber mais tarde. E finalmente, a terceira tarefa, era fundar o Porto do Graal, a nação do Cristo, a nova Jerusalém. Aceitando as tarefas, Bernardo partiu com o coração pleno por estar ao serviço da sua Alma e da Alma que ele ajudara a fundar na cerimónia realizada nas margens do rio Zêzere mil anos antes, pois também ele era um dos doze cavaleiros da ordem de Mariz. Quando o Graal lhe foi entregue por um iniciado vindo de Inglaterra, Bernardo deslocou-se de imediato para o Sul de França entregando-o à guarda dos sacerdotes da Igreja que eu fundara mil anos antes e que fora abafada em Niceia, quando a Faternidade tomou conta da Igreja de Roma. Depois fundou a Ordem dos Templários, conseguindo que alguns seres de grande valor que se encontravam iludidos dentro da Ordem do Monastério do Sinai ingressassem na nova Ordem por ele criada. E, embora aos olhos do Papa, a Ordem dos Templários fosse apresentada como uma ordem ligada ao oriente, na verdade essa era apenas a fachada necessária para resguardar a verdadeira função da Ordem que era proteger o Graal e fundar Portugal, a nova Terra Santa. Muito rapidamente as duas Ordens, que no princípio estavam juntas, pois existiam membros que faziam parte das duas, se separaram. E isso aconteceu quando esses elementos perceberam que a Ordem do Sinai estava ao serviço das forças negras e não da Luz. Quando a Fraternidade, o núcleo que operava por detrás da Ordem do Sinai, percebeu que o Graal tinha voltado para o continente e que estava nas mãos dos sacerdotes Cátaros, cujas cerimónias diante do Graal anulavam os poderes da Arca e as pretensões da Fraternidade de colocar no trono um descendente da linhagem de Jesus, começaram os movimentos para tentarem apoderar-se do Graal. Enquanto isso, Portugal era fundado por um outro membro da Ordem de Mariz, D. Afonso Henriques — que recebia instrucções directas de Bernardo, presente em muitas das suas meditações —, e pelos Templários, Ordem criada para esse efeito.

    » Entretanto, em França, a Fraternidade começava a movimentar-se para se apoderar do Graal. Operando por detrás do Rei de França e do Papa, uma cruzada é preparada para destruir os Cátaros, sobre o pretexto de serem heréticos e desobedientes ao Rei. Os Templários, não podendo opor-se directamente a tal força, acabaram por cumprir a sua função de forma discreta, protegendo o Graal, que foi retirado secretamente da fortaleza de Montségur antes que esta caísse nas mãos dos cruzados, ficando sobre a sua protecção. As forças negras da Fraternidade acabaram por provocar um dos maiores massacres da história da Europa, mas o Graal ficou a salvo não caindo nas suas mãos, como nunca iria cair, apesar de todas as outras campanhas que iriam ser realizadas com esse fim.

    » Em Portugal, a nação do Cristo estava a ser consolidada e preparada para receber o Graal, enquanto em França os movimentos ocultos da Fraternidade tudo faziam para saber do novo paradeiro do Graal, o que viriam a descobrir mais tarde, levando a uma nova e sanguinária campanha, desta vez contra os Templários. Agindo nos bastidores da política e da religião, influenciaram o Rei de França nas perseguições contra os Templários, culminando com a extinção da Ordem em França.

    Madalena olhou para mim com uma expressão terna, como uma mãe que conta uma história de embalar a uma criança, pois era como se tudo aquilo que ela contava, e que tanto significava para mim, para ela fosse apenas um Jogo do mundo.

    — E é apenas um Jogo, Vera — disse ela lendo os meus pensamentos — Dentro de uma dimensão dual e tridimensional, o bem e o mal existem como realidades opostas que se confrontam como se estivessem sobre um palco, onde é necessário dar expressão a um roteiro escrito por mãos superiores, mas, nos planos onde nos encontramos agora, não existe nem o bem nem o mal, o certo e o errado, mas apenas as experiências necessárias para o crescimento dos mundos. Nada existe fora da vontade de Deus, Vera e, por isso, todo o drama humano é apenas a representação dessa Vontade como forma do mundo poder despertar para a sua verdadeira condição. Tanto a Fraternidade como a Irmandade, são operadores para a evolução dos mundos, campo de experiência para as Almas na sua evolução. E, embora, enquanto personagens dessas histórias, nos ocupemos com um determinado papel — e o nosso foi o de estar ao serviço da Irmandade —, na verdade, enquanto seres despertos para uma realidade não dual, não existe nem a Fraternidade nem a Irmandade, mas apenas a Vida, nas suas múltiplas formas de expressão para que, no fim, só fique a única realidade existente que é o Amor. 

    No lago, vi então a imagem de uma rainha. Quanta candura brotava do seu rosto.

    — Ali está Isabel, rainha de Portugal. Desde muito jovem que foi acompanhada por mim. Os laços que nos uniam eram profundos, não tivesse sido ela Sara, minha filha e de Jesus. Muito rapidamente Isabel passou pelas iniciações, tendo recebido a quarta iniciação, a crucificação, em Alenquer onde ficou cativa das dores do mundo, vivendo-as na sua carne terrestre. Quando deixou aquela vila e rumou a Dornes para viver a quinta iniciação, estava pronta para partir para os outros planos de consciência, mas assim não foi. A quinta iniciação, que Isabel recebeu dentro da torre pentagonal de Dornes, é um dos mais belos processos iniciáticos, conhecido, dentro da poética espiritual, como o Matrimónio Superior. Quando a noiva, a Alma, se eleva do plano intuitivo até ao plano espiritual e encontra o noivo, a Mónada, que desce do plano monádico e ambos, sobre as vestes do Corpo de Luz que foi tecido ao longo das encarnações pelo próprio Ser, se juntam num único núcleo consciente, dá-se essa união sagrada que unificará toda a expressão vertical do Ser. Um ser com a quinta iniciação, é alguém que pode operar com total liberdade desde a terceira até à sexta dimensão, tendo um domínio total sobre a matéria, de tal modo que poderá materializar e desmaterializar essa mesma matéria, incluindo o seu próprio corpo. E, embora depois de um processo destes o Ser passe para outras dimensões e opere a partir destas, com Isabel assim não aconteceu, já que ouve uma unificação das nossas consciências e eu passei a agir de forma directa através de si. A partir de então, não havia mais diferença entre nós, e os destinos de Portugal passaram a ser dirigidos por mim directamente, não por inspiração, mas de forma encarnada através de Isabel. Após este processo, o rei D. Dinis ficou em segundo plano e os destinos de Portugal passaram a ser conduzidos pela rainha que era eu própria.

    » Com a minha chegada, o Graal podia finalmente vir para Portugal. Ordenei que o Convento de Cristo fosse preparado para o receber e fundei a Ordem que em Portugal iria ter o mesmo papel que os sacerdotes Cátaros tiveram em França. A Ordem de Cristo era, por isso mesmo, uma ordem sacerdotal e a responsável por velar pelo Graal e pelas cerimónias a realizar em torno do mesmo, enquanto a Ordem de Aviz seria a Ordem militar que passou a ter o mesmo papel que os Templários tiveram em França e que era o de proteger o Graal. Ordem essa que, desde a sua criação, usou a flor-de-lis nas suas insígnias, como símbolo oculto do Graal e que, mais tarde, iria ter um papel decisivo na protecção do mesmo. Três sacerdotes da nova Ordem foram enviados a França antes da execução do Grão-mestre dos Templários e a este se dirigiram com um mandato divino para que o Graal lhes fosse entregue. E assim foi. Quando a Fraternidade conseguiu extinguir a Ordem dos Templários, já o Graal não se encontrava na sua posse mas nas terras que foram fundadas para o receber. Na charola do Convento de Cristo, foi colocado o Graal e ali várias cerimónias se realizaram dando continuidade ao trabalho iniciado por Seraphis Bey no templo da Ascensão em Karnac, todas elas oficiadas por mim através de Isabel. Ali preparámos a segunda iniciação de Portugal, que deveria acontecer mais tarde, assim como a preparação da activação das campânulas por onde o Graal circulara mil anos antes. Essa activação, no entanto, implicava que o Graal fosse levado fisicamente aos mesmos lugares, e essa seria uma tarefa reservada a um outro ser que acabou por não conseguir cumpri-la por interferência directa da Fraternidade. No entanto, todo o trabalho que tinha que ser realizado no reinado de Isabel, cumpriu-se.

    Vi então a imagem de uma criança que brincava numa rua empedrada, quando um homem, imponente, muito bem vestido, se aproximou. Ela fixou-o, ficando em silêncio. Ele baixou-se, passou a mão pelo seu rosto e disse-lhe que era muito bonita e inteligente.

    — Quem é esta criança? — Perguntei de lágrimas nos olhos.

    — Diz-me tu, Vera. Quem é ela?

    — Sou eu, não sou? — As lágrimas escorriam sem parar.

    — Sim, és tu. O teu nome era Inês de Castro e aquele homem que ali vês é o Grão-mestre da Ordem do Monastério do Sinai. Desde muita nova que tu foste detectada pela Fraternidade, pois tinhas uma missão nuclear a desempenhar em Portugal. Sabendo eles que eras um dos membros da Ordem de Mariz, rapidamente tomaram conta de ti, convencendo os teus pais que deverias ser educada por eles, por seres alguém muito especial que deveria estar ao serviço de Deus.

    Madalena fez uma pausa por perceber o quanto aquela história mexia com o meu ser. Não conseguia parar de chorar.

    — Cresceste rapidamente dentro da ordem e tornaste-te um dos elementos mais importantes, julgando que estavas ao serviço da Luz, sem saberes que, por detrás da Ordem estava a Fraternidade. Acabaste por levar para a Ordem os teus irmãos e juntos traçaram os planos para recuperar o Graal e o trono de Portugal. Desde o princípio, foste levada a acreditar que a Ordem era aquela que detinha o direito espiritual de possuir o Graal, que Portugal tinha usurpado para si, e que este deveria regressar ao seio da Ordem. Foste preparada, ainda muito jovem, para a tarefa de te tornares Rainha de Portugal e de trazes o Graal para a Ordem do Sinai.

    Vi Inês ser levada para Portugal como uma das aias de Constânca, futura esposa de Pedro.

    — Inês tinha objectivos muito claros, que passavam por seduzir o infante e tornar-se sua amante para que, junto deste pudesse descobrir onde se encontrava o Graal. Rápidamente se tornou amante, o que não lhe foi difícil devido ao forte magnetismo que exercia sobre Pedro através de uma das técnicas treinadas na Ordem,  o controle da energia sexual com o objectivo de seduzir e manipular. E, embora Pedro não soubesse ainda da existência do Graal, já que este era apenas do conhecimento do Rei e do grão-mestre das duas ordens, Inês tinha de ganhar terreno para que um dia se pudesse tornar rainha de Portugal. A Ordem, no entanto, tinha outros planos, já que não era do seu interesse que Inês se tornasse rainha, pois, como rainha, a sua função mais interna ser-lhe-ia revelada e na presença do Graal a ligação com a Ordem seria quebrada. Os planos passavam por conseguir que um dos seus filhos viesse a ser rei de Portugal e, com o apoio dos irmãos de Inês, colocá-lo do lado da Ordem. Filhos, esses, à excepção de um, que não eram de Pedro mas do grão-mestre da Ordem com quem Inês sempre manteve uma ligação amorosa, encontrando-se com regularidade. Esses planos acabaram por não se concretizar, no entanto, apesar dos conselheiros do rei Afonso IV, pai de Pedro, que operavam sob a influência da Fraternidade, o terem aconselhado a permitir o casamento entre ambos, o que acabou por não acontecer, tendo a Ordem de pôr em marcha um segundo plano. Este passava pelo assassinato do rei D. Fernando, filho de Pedro, que colocaria o trono de Portugal nas mãos dos Espanhóis, pelo facto da sua filha ser casada com o rei de Espanha. E, a partir do momento em que Portugal passasse para as mãos dos espanhóis, a Fraternidade poderia actuar livremente em Portugal.

    — E porque foi Inês assassinada? — Perguntei.

    — Existiam dois seres muito influentes junto do Rei Afonso IV, que eram instrumentos directos da Fraternidade, como te disse. Ao contrário de Inês, que tinha sido formada nas suas escolas, estes seres eram manipulados do plano astral pela Fraternidade, devido à sua mediunidade que era usada como veículo para que esta se expressasse através deles. Como não era do interesse da Ordem que Inês se tornasse rainha e, ao mesmo tempo, era de todo o interesse saber onde o Graal se encontrava, esses seres conseguiram convencer o Rei de que Inês estava ao serviço de Castela e que tinha a tarefa de se tornar rainha de Portugal para se apoderar do Graal e que a única forma do rei conseguir comprovar isso seria testar Inês, fazendo com que alguém a levasse à presença do Graal, podendo então o rei justificar o seu assassinato pelo risco à soberania do país e à sua tarefa mais oculta. E assim foi. Inês caiu no engodo e, ao ser levada à presença do Graal, acabou por assinar a sua própria sentença.

    Vi então as imagens de Inês a entrar na charola do convento de Cristo e as lágrimas voltaram a escorrer pelo meu rosto. O colar que trazia ao pescoço, que era um símbolo da sua ligação com a Ordem, quebrou-se assim que ela entrou, caindo aos seus pés. Estava livre da influência da Fraternidade e desperta para uma realidade que lhe mostrava o equívoco em que se encontrara durante anos. De joelhos diante das três pedras, prostrada pela culpa que tomara conta de si, Inês resignou-se ao destino que a aguardava, pois ali mesmo percebeu que tinha sido traída e que iria ser assassinada.

    — Naquele momento, ela sentiu o amor por Pedro, como nunca antes tinha sido possível sentir, por estar dentro da esfera da Fraternidade. Ali, pela primeira vez, como nunca antes, era Pedro que ela queria ter a seu lado, abraçá-lo, pedir-lhe desculpas e dizer-lhe do fundo do seu coração o quanto o amava. Mas era tarde. Nunca Inês deveria ter sido levada à presença do Graal antes de se tornar rainha de Portugal, pois ficaria numa posição frágil e, sabendo isso, a Fraternidade tudo fez para que assim acontecesse.

    — Mas assim a Fraternidade ficou sem saber onde se encontrava o Graal - disse eu, limpando os olhos das lágrimas.

    — A Fraternidade não é um núcleo físico, encarnado, mas um núcleo que opera do plano astral, sendo a Ordem apenas um dos seus instrumentos. E, estando Inês ligada a esse núcleo astral de forma telepática, no momento em que entrou na charola, a Fraternidade ficou a saber onde o Graal se encontrava, antes da ligação ter sido quebrada.

    — E quais foram as implicações destes acontecimentos?

    — Profundas. Houve um corte na programação de Portugal com este episódio. Não só Inês não cumpriu a sua tarefa que era, como rainha de Portugal, levar o Graal por todas as campânulas que foram criadas mil anos antes, activando cada uma delas, como os trabalhos iniciáticos, que se realizavam na charola do convento de Cristo, tiveram que ser interrompidos e o Graal posto em segurança num outro lugar. E assim foi. Pelos túneis subterrâneos, o Graal deixou o Convento e foi levado para a Igreja de Santa Maria do Olival onde ficou guardado. O programa de Portugal estava temporariamente suspenso. Inês acabou por ser conduzida para Coimbra onde a sua morte foi, mais que um simples assassinato, um ritual de magia negra realizado pelos seres que operavam junto do rei e que queriam garantir que a Alma de Inês ficaria aprisionada e impossibilitada de expressar a sua função naquelas terras, por todas as encarnações futuras. E na verdade, Vera, depois desta tua Vida como Inês, nunca mais encarnaste em Portugal a não ser agora.

    Observei todo o ritual e uma dor imensa invadiu o meu peito. No final, já na posição dobrada para que a cabeça fosse cortada, vi Bernardo de Claraval aparecer, num outro plano, e colocar a sua mão direita sobre a minha cabeça, retirando-me daquele contexto antes que o machado caísse sobre o  pescoço, e assim, quando a cabeça foi cortada a minha Alma já lá não se encontrava.

    — E o que aconteceu com Pedro?

    — Ouve uma revolta imensa em Pedro que prometeu vingar-se de todos. A sua Alma encheu-se de cólera e ódio. Quando foi feito rei pode compreender as razões oficiais por detrás da morte de Inês, já que lhe foi revelado a existência do Graal, mas não as aceitou. Acabou por conseguir junto de monges cistercienses, orientados por Bernardo, a compreensão das verdadeiras razões que levaram à sua morte; da existência da Fraternidade que sempre a manipulou e que manipulou seu pai, o que não foi, no entanto, suficiente para apaziguar o seu coração. Não só assassinou os carrascos de Inês, como prometeu vingança contra a Ordem, comprometendo-se, ele mesmo, a cumprir a tarefa que estava destinada a Inês. Só que Pedro não tinha muito mais tempo de vida para cumprir essa tarefa, o que levou os Conselhos de Anuea e eu mesma a tomar a decisão de permitir que ele encarnasse de imediato para cumprir essa vontade e apaziguar a sua Alma. 

    Vi então no espelho do lago a imagem de uma criança numa cama, como se estivesse doente. Parecia que as pessoas em volta de si não tinham grandes esperanças que esta recuperasse, tal a tristeza que manifestavam.

    — Foi nesta criança de sete anos que Pedro encarnou. Não estando ainda concluída a encarnação plena do ser, que acontece apenas por esta idade, a Alma do ser que se encontrava neste corpo se retirou e a Alma de Pedro pode tomar o seu lugar. Quando o processo foi concluído a criança saiu do coma e recuperou rapidamente. Esta criança iria ter um papel chave na história de Portugal, talvez dos mais importantes, pois ali estava uma Alma sedenta de justiça e pronta para colocar de volta nos seus trilhos a programação de Portugal. O seu nome era Nuno Álvares Pereira. Desde muito jovem que sentiu uma atracção forte por todas as histórias ligadas ao Graal, ao Rei Artur, pois também ele fizera parte dos cavaleiros da Távola redonda numa encarnação anterior, onde os doze de Mariz se reuniram diante do Graal, preparando os tempos futuros. Quando a Fraternidade resolveu agir, assassinando pela mão de um dos seus membros, conhecido como Conde Andeiro, o rei D. Fernando, para que Portugal passasse para as mãos de Castela e assim a Ordem pudesse entrar livremente no país, Nuno passa por uma iniciação que o torna consciente da sua missão e de quem tinha sido na encarnação anterior. Tendo consciência de tudo o que tinha vivido como Pedro, avança sem vacilar para repor a programação interna de Portugal de volta nos seus trilhos e impedir que a Fraternidade conseguisse dominar em Portugal. Uma das suas primeiras acções foi deslocar-se à Igreja de Santa Maria do Olival onde foi buscar o Graal que a partir de então esteve sempre consigo. Todas as batalhas em que Nuno se envolveu, foram travadas com o Graal nos alforges do seu cavalo. Colocando-se ao lado de João Mestre de Aviz, aclamado Rei de Portugal nas cortes de Coimbra, onde a Fraternidade tudo fez para colocar no trono João, tido como filho de Pedro e Inês, mas que, na verdade, era filho do Grão-mestre da Ordem, Nuno tornou-se o braço direito daquele que era seu filho e que, como Mestre de Aviz, tinha pleno conhecimento da existência do Graal que lhe competia proteger. E como primeira acção, após ser investido pelas cortes como o novo rei de Portugal, matou o conde Andeiro que ele sabia ser um representante directo da Ordem do Sinai, em Portugal.

    » Em Espanha, a Fraternidade começou a actuar fortemente através dos rei de Castela para que Portugal fosse invadido, sempre com outros pretextos que não os de se apoderar do Graal cuja existência não era do conhecimento de Castela. A invasão justificava-se para garantir os direitos de Beatriz, filha de D. Fernando e casada com o rei de Espanha, ao trono de Portugal, o que implicaria a anexação de Portugal por Espanha e a perda da Independência. Sendo Portugal parte de Espanha, o Graal rapidamente iria para as mãos da Fraternidade que assim poderia avançar com os seus planos mais ocultos, que passavam pela criação de um reino unificado da Europa sobre a regência de um descendente directo de Jesus e de mim mesma. Tendo na sua posse a Arca da Aliança, e sem a presença do Graal que pudesse anular o seu poder, rapidamente a Ordem conseguiria subjugar os reinos da Europa e impor as suas pretensões. Mas o que a Ordem não sabia é que na frente dos exércitos de Portugal estava aquele que tinha sido Pedro e que prometera vingar-se da Ordem por tudo o que esta tinha a feito a Inês e a Portugal. Embora já não imbuído desse ódio, e mais consciente da sua função, Nuno, pleno do Amor da sua Alma, cumpriu de forma exacta aquilo que lhe estava destinado.

    Vi então o exército de Portugal pronto para a Batalha e mais afastado, em recolhimento, estava Nuno sentado diante do Graal num profundo estado meditativo. A única pessoa que conseguia aproximar-se, tal era a energia nesses momentos, era João I.

    — Nuno tinha nesta altura a terceira iniciação que corresponde à transfiguração de Jesus onde este entrou em contacto directo com a sua regência Hierárquica, passando a ser um prolongamento desta. Com esta iniciação, Nuno ligou-se directamente com o seu mestre directo, que sempre foi João o apóstolo. A energia da sua Alma passou a fluir através dos seus corpos e com essa fluência houve a absorção completa da personalidade que só na iniciação seguinte, que Nuno iria receber quando se tornasse frade e abdicasse de todas as riquezas do mundo, seria dissolvida. É com a terceira iniciação que o ser entra verdadeiramente ao serviço do plano evolutivo, tornando-se um prolongamento directo da Hierarquia. Um ser que vive este processo é alguém que já está em total harmonia física, paz emocional e silêncio mental. A partir daqui não há mais como retroceder, nem as forças involutivas de âmbito planetário poderão mais desviar o ser do seu caminho. Por isso, Vera, na frente dos exércitos de Portugal estava um Iniciado e a seu lado o Cristo através do Graal cujo energia chegava a todo o exército pelo toque do Espírito Santo.  

    Vi as imagens de várias batalhas e a facilidade com que estas eram vencidas, umas a seguir às outras, tal a motivação e a inspiração de seus soldados.

    — Uma vez mais a Fraternidade não conseguiu se apossar do Graal. Falharam, no Sul de França, quando exterminaram os Cátaros. Falharam, quando extinguiram os Templários. Conseguiram algum sucesso com Inês, mas logo falharam ao tentarem invadir Portugal. A Irmandade, operando através dos seus filamentos encarnados, acabou por conseguir impedir que o Graal caísse nas mãos erradas. Depois de João I subir ao trono preparou-se de imediato o seu casamento com Filipa de Lencastre, que trazia consigo, através da sua ligação com a Ordem da Jarreteira, toda a tradição do Graal em Inglaterra, unificando esta com a Ordem de Aviz. O verdadeiro casamento dos dois não aconteceu no Porto, mas no mosteiro de Alcobaça, numa cerimónia privada onde apenas João, Filipa e Nuno, como sacerdote, se encontravam presentes diante do Graal.

    As imagens da cerimónia apareceram no espelho do lago, em que Nuno, por detrás do Graal, e João e Filipa à sua frente, selavam aquela união, abençoada pelo Cristo que, ali estava presente.

    — Depois desta cerimónia, Nuno ainda travou mais algumas batalhas junto à fronteira para garantir e assegurar que nenhuma outra tentativa de invasão iria acontecer e assim poder despir em definitivo os seus trajes de Cavaleiro e assumir os trajes de Sacerdote. Podia finalmente ocupar-se em exclusivo com a tarefa que Inês não pode realizar e assim colocar Portugal de volta nos seus trilhos programáticos. Com o Graal junto de si, deslocou-se por todo o país, levando este aos lugares, onde as campânulas tinham sido criadas quando eu, João e os doze estivémos nessas terras. Ali, tal como um diapasão que afina as cordas de uma guitarra, o Graal, cuja nota tinha sido afinada nas cerimónias que se realizaram na charola do Convento de Cristo e oficiadas por mim, através de Isabel, activou cada uma dessas campânulas que passaram a emitir o Som da Nova Terra que desperta, sendo pontos Luz da presença do Cristo, através da radiação do Espírito Santo.

    » Esse périplo terminou em Sintra, onde o Graal foi colocado numa gruta na qual mais tarde construir-se-ia uma capela que já não existe. Ali, sob a vigilância dos sacerdotes, mais que cavaleiros, de Cristo, os rituais ligados à ascensão da matéria e a manifestação do Espírito Santo puderam continuar em segurança, dando continuidade ao trabalho que veio do Templo da Ascensão no Egipto e que depois teve continuação na charola do Convento de Cristo. E terminou aqui a tarefa de Nuno. Após ter entregue o Graal nas mãos dos sacerdotes, tal como Bernardo o fizera ao entregá-lo aos Cátaros, Nuno despiu definitivamente os trajes de cavaleiro e tornou-se frade. Doou todos os seus bens e recolheu-se no convento do Carmo que mandou construir. Ali viveu a quarta iniciação, tal como Isabel a vivera em Alenquer, e no fim da sua vida, momentos antes de desencarnar, recebeu a quinta iniciação que corresponde à ressurreição de Jesus. A sua Alma estava finalmente pacificada, depois dos tormentos vividos enquanto Pedro, e a programação interna de Portugal restabelecida.

    » O reinado de João I foi o início da preparação da segunda iniciação de Portugal que levaria o país para o deserto, tal como Jesus que, após o baptismo, teve que enfrentar esse mesmo deserto. Mas foi pela mão do Infante D. Henrique, que foi um instrumento directo de João, o apóstolo, tal como eu fora de Isabel, que essa preparação foi efectivada de forma mais directa. A Presença da radiação de João através do infante, fez com que, durante esse período, a Fraternidade tivesse ficado totalmente cega em relação a tudo o que se passava em Portugal e, assim, os planos de preparação da nova iniciação puderam desenrolar-se em total segurança. Preparou, de igual forma, a abertura dos caminhos que levariam cada uma daquelas pedras que formavam o Graal aos seus destinos planetários, tecendo, no etérico planetário, os códigos da implementação do novo império, o império do Espírito Santo. A abertura dos caminhos marítimos não tinha como objectivo procurar rotas de comércio mundial na busca das especiarias ou do ouro, mas as rotas pelas quais as pedras chegariam aos seus novos destinos. Para oriente, era necessário chegar à Índia para onde seria levada a pedra de polaridade masculina que dali rumaria aos Himalaias para ser recolhida no centro de Shamballa. Para ocidente, era necessário chegar ao Brasil, para onde seria levada a pedra de polaridade feminina que dali rumaria para os Andes, mais precisamente para o lago Titicaca, rumo a Miz Tli Tlan, ou Paititi, como os Incas chamavam a esse centro. A pedra central seria levada para a ilha de São Miguel, nos Açores, e ali recolhida ao centro de Lys, embora mais tarde, já nos tempos modernos, tivesse sido trazida para Anuea. Teríamos assim o Graal em dimensão planetária na preparação da descida do Cristo sobre este planeta. Os planos foram executados de forma exacta, tanto na preparação das rotas marítimas como na preparação do baptismo de Portugal que iria acontecer no início do século dezasseis. Este trabalho, no entanto, não pode ser finalizado durante o período de vida do Infante e um outro ser foi incumbido de lhe dar continuidade.

    Vi então uma longa sala de paredes de pedra. Ao fundo, uma janela ampla deixava entrar a luz do sol que tornava visível a poeira no ar e sob essa luz uma criança de três anos brincava com uma espada de madeira, lutando com o aio. A criança estava muito compenetrada com aquele jogo e com o manejo da espada, levando tudo muito a sério. Foi então que vi entrar no extremo oposto da sala o Infante que se sentou num banco e ali ficou, em silêncio, de olhos na criança. Nenhuma palavra foi dita, nem a criança se apercebeu da sua presença.

    — Aqui o Infante delegou internamente naquela criança a tarefa de dar continuidade ao seu trabalho. Essa criança viria mais tarde a tornar-se o rei João II. Antes de desencarnar, o Infante entregou ao Grão-mestre da Ordem de Cristo uma pasta com um documento, ordenando que este fosse entregue a João no dia em que este fosse investido como rei e levado à presença do Graal. Esse documento, altamente secreto, que tinha sido entregue ao Infante por um Ser de Anuea, era algo essencial para a execução da tarefa que João teria pela frente e que nada mais era que o mapa do mundo tal como nós o conhecemos hoje. Quando João é reconhecido como o novo Rei, em Sintra, e é levado à presença do Graal, o documento é-lhe entregue e com base no mesmo, toda a estratégia das rotas marítimas é traçada. Tínhamos assim João II como o único rei do mundo que sabia exactamente como era o planeta e onde estava cada continente, e foi com base nesse conhecimento que recusou a proposta de Colombo em descobrir a Índia pelo ocidente, já que ele sabia que as terras que ali estavam eram outras e que estas não eram importantes para a tarefa de Portugal, assim como o ajudou a definir o meridiano exacto onde a linha de Tordesilhas deveria ser traçada, de forma a incluir o Brasil, rota necessária para o trajecto da pedra de polaridade feminina que deveria chegar aos Andes. Para além desta tarefa, o Rei ainda tentou que Espanha fosse incorporada a Portugal casando o seu filho com a filha do rei de Castela, o que seria um golpe nas pretensões da Fraternidade que perderia todo o seu poder. Estratégia essa que fez com que a Fraternidade se movimentasse e nos bastidores acabasse por assassinar o infante fazendo com que esse episódio fosse visto como um acidente de cavalo. Através de João II, as rotas foram abertas e Portugal, já no reinado de D. Manuel, o último Rei de Portugal que teria conhecimento sobre a existência do Graal, poderia finalmente receber o seu baptismo, a segunda iniciação.

    Vi então doze seres reunidos dentro de uma gruta no centro da qual estavam as três pedras. Era o início da cerimónia do baptismo de Portugal.

    — No período desta cerimónia, tu estavas encarnada como Virgem do Sol no império Inca. Foste preparada para te tornares aquela que iria receber a pedra de polaridade feminina das mãos dos três sacerdotes que a levariam até lá. Com o baptismo de Portugal, o Graal deixou este país, seguindo cada uma das pedras os seus destinos planetários. Cada pedra foi entregue a três sacerdotes da Ordem de Cristo que depois rumaram a uma das praias do Cabo da Roca e dali partiram para as respectivas naus que se encontravam ao largo. Tal como o Jesus-Homem, também o Jesus-Nação foi levado para o deserto, depois do baptismo onde se encontra até hoje. No deserto, a Alma de Portugal recolheu-se e o destino deste país passou para as mãos e para o livre arbítrio dos homens não sendo mais conduzido directamente por nós. Era necessário agora que o país expurgasse os seus demónios e vivesse a secura total para que, mais tarde, pudesse finalmente assumir a sua missão. Os reis seguintes foram reis humanos, sem inspiração divina, já que durante a travessia do deserto nenhum dos doze de Mariz encarnou em papéis de liderança, como acontecera no passado. E foi um desses reis, alimentando um sonho humano de conquistas divinas, submerso pelo ego, pelos desejos e pela acção psíquica da própria Fraternidade, que acabou por levar Portugal a perder a sua independência e a abrir caminho para que a Ordem do Sinai se instalasse em definitivo neste país, trazendo com ela a inquisição, que já no reinado de João III tinha começado a instalar-se. Devido ao recolhimento da Alma de Portugal e ao facto do dzeserto ser algo necessário no processo iniciático do país, a Hierarquia Espiritual não interferiu, deixando que Portugal vivesse as experiências necessárias para o seu crescimento e amadurecimento antes que pudesse assumir a sua tarefa final. O mito que nasce com a perda da independência nada tem de Divino, é um mito humano, reflexo do fracasso dos homens e da sua ambição espiritual. Estamos hoje no limiar da terceira iniciação, em que a Alma de Portugal se fará novamente presente e em que os destinos do país serão novamente conduzidos pelo alto. Um dos doze de Mariz irá ter, daqui a alguns anos, um papel de liderança, implementando as medida necessárias para que Portugal se cumpra finalmente. E tu serás alguém que irá estar junto desse ser, assim como a Maria.  

    Ela levantou-se, fazendo-me sinal para que caminhássemos na direcção do templo onde entrámos. Ali dentro, era como se todas as forças ficassem suspensas. No centro do templo, estava a pedra central, sobre um pedestal de pedra. A sacralidade daquela pedra era de tal forma intensa que não consegui evitar ajoelhar-me e assim fiquei por algum tempo, um tempo indefinido, que tanto poderiam ter sido alguns segundos como uma pequena eternidade. As imagens de Inês diante do Graal fizeram-se presentes. Estar de novo na presença daquela pedra era limpar o carma que ficou em suspenso, por não ter cumprido a minha tarefa, como se o Universo, que era eu mesma, me perdoasse e me libertasse e, com esse perdão, toda a magia que fora realizada pela Fraternidade sobre a minha Alma, fosse anulada. Estava livre, finalmente, e podia assumir a tarefa de levar aquela pedra de volta à superfície, para que Portugal pudesse cumprir-se. Madalena pediu que me levantasse e assim fiz, caminhando até junto da pedra. Ela pegou na pedra e colocou-a nas minhas mãos, sorrindo.

    — Tudo foi como tinha que ser, Vera, pois nada existe fora da Vontade de Deus. Chegou a hora de reunir os doze de Mariz para que Portugal se cumpra e o Cristo possa, finalmente, encarnar o planeta inteiro.

Capítulo XIX do livro Janelas entre dois Mundos de Pedro Elias

-------------------------------------
Faça o download deste livro aqui: http://pedroelias.org/download
Ou encomende aqui: http://pedroelias.org/loja-online

Modificado em quarta, 10 maio 2017 16:23

Artigos

No Silêncio eu Sou

Colocado por Pedro Elias a março 19, 2016

No Silêncio eu Sou

em Poesia
No Silêncio... No Silêncio reencontro o Som que sempre soou sem que eu o ouvisse; aquele que ecoa dentro do útero da minha Alma como a voz da eternidade debruçada sobre o tempo. No Silêncio…

A Revolução que mudou Portugal e o Mundo

em Excertos
Estava sentada sobre o tapete, pensando na segurança que aquela pequena casa de montanha sempre me dera. Era ali que me refugiava quando necessitava de estar comigo mesma; um lugar que me acompanhou nos últimos…

A História Oculta de Portugal

Colocado por Pedro Elias a março 05, 2016

A História Oculta de Portugal

em Excertos
Caminhava por um jardim imenso, de tons predominantemente azuis, com Madalena a meu lado. A Maria não estava junto de nós tendo ficado aos cuidados de uma jovem. Aquele jardim ficava no interior do edifício…

Sejamos Árvores

Colocado por Pedro Elias a fevereiro 14, 2016

Sejamos Árvores

Como acabar com a dualidade continuando a viver no mundo? Como fazer com que o jogo do bem e do mal, do certo e do errado, termine definitivamente em nós? Enquanto fazia esta pergunta a…

Trajes de Palha, Corações de Ouro

Um coração de ouro só pode reluzir na simplicidade da palha; esse era o material que revestia o berço do menino. É também essa a imagem e a visão daquilo em que todos nós nos…

Ascensão

Colocado por Pedro Elias a janeiro 15, 2016

Ascensão

Um novo olhar é necessário sobre este tema. Uma nova compreensão necessita ancorar em nós, de modo a que possamos compreender a razão primeira e última do processo ascensional. Na verdade ninguém ascende. Essa é…

A Verdadeira Liberdade

Colocado por Pedro Elias a janeiro 07, 2016

A Verdadeira Liberdade

Aos olhos da nossa personalidade, a vida é feita de escolhas e a cada instante temos que pesar em nós o que realmente é importante e essencial para a nossa caminhada neste mundo. Podemos optar…

Uma Nova Visão do Karma

Colocado por Pedro Elias a janeiro 05, 2016

Uma Nova Visão do Karma

Nas antecâmaras do tempo, ecoa ainda hoje o Sim que todos nós pronunciámos quando nos foi perguntado se estávamos dispostos a servir no planeta a que damos o nome de Terra. De diferentes moradas cósmicas,…

Soltando a Dor

Colocado por Pedro Elias a janeiro 04, 2016

Soltando a Dor

Este vazio que nos toca sempre que a Alma se apresenta diante das nossas dores, sorrindo-nos como que percebendo a acção benigna desse grande alquimista que tudo transforma, é a maior graça que um ser…

Mensagem de Ano Novo

Colocado por Pedro Elias a dezembro 31, 2015

Mensagem de Ano Novo

Que possamos neste novo ano silenciar e permitir que a dimensão da Alma se faça cada vez mais presente na simplicidade da Vida. Que nos entreguemos aos momentos que essa Vida nos traz, em alegria…

O Caminho Iniciático

Colocado por Pedro Elias a novembro 26, 2015

O Caminho Iniciático

Quando a nossa consciência deixou os patamares superiores do universo e se debruçou sobre as esferas temporais, lançando-se nessa aventura cósmica que é a encarnação, ela o fez estabilizando a sua luz em diferentes planos…

A Função Espelho

Colocado por Pedro Elias a novembro 24, 2015

A Função Espelho

No cosmos, a comunicação é feita por aquilo que se conhece como sistema de espelhos, que permite que a energia flua sem distorção, imaculada, mantendo o seu timbre e a sua nota programática e arquetípica.…

No Rescaldo de Paris

Colocado por Pedro Elias a novembro 18, 2015

No Rescaldo de Paris

Os atentados de Paris mostram-nos, mais uma vez, que algo está muito errado no mundo, não apenas do lado dos extremistas e seus fundamentalismos, mas também da forma como nos relacionamos com os outros que…

A Cura do Cancro

Colocado por Pedro Elias a outubro 20, 2015

A Cura do Cancro

em Excertos
Excerto do romance Memórias de um Despertar - Capítulo V, pág. 82 ---------------------------------------------- No dia da inauguração do Instituto, o David mandara reunir a equipa responsável pelo Departamento da Saúde, convidando-me para estar presente, onde…

O Fim das Touradas

Colocado por Pedro Elias a outubro 20, 2015

O Fim das Touradas

em Excertos
Excerto do romance Memórias de um Despertar - Capítulo VII, pág. 104 ------------------------------------------------------- Um outro momento, que ficou gravado em mim, acontecera um ano depois. O António tinha acabado de assumir as suas funções como…

Na Senda do Discípulo

Colocado por Pedro Elias a outubro 15, 2015

Na Senda do Discípulo

A senda do discípulo, como vem sendo referido ao longo dos tempos em toda a tradição esotérica que vem desde Blavatsky, sempre foi um trilho estreito. Um trilho de muitas provações em que esse mesmo…

Retiros

Colocado por Pedro Elias a outubro 15, 2015

Retiros

Um retiro não deve ser visto por nós como uma oportunidade para nos isolarmos do mundo na busca da tranquilidade que nos falta nos meios urbanos onde vivemos. Um retiro não é um passeio pelo…

SIM

Colocado por Pedro Elias a outubro 15, 2015

SIM

Quando assumimos de uma forma consciente a direcção por nós há muito determinada, quando o Sim interno ressoa profundamente na antecâmara do Eu Superior, assumindo uma forma esférica e cristalina, todas as forças contrárias a…

Serviço

Colocado por Pedro Elias a outubro 15, 2015

Serviço

Ao contrário do que a mente colectiva da actual civilização possa definir como sendo o Serviço, servir não é fazer coisas, não é ajudar de uma forma cega movido pela vontade humana e pelas ideias…

Impessoalidade

Colocado por Pedro Elias a outubro 15, 2015

Impessoalidade

No desenrolar do processo humano, na sua crescente não identificação com as coisas deste mundo, não pela sua negação, mas pela superação em nós de todos esses apelos, a impessoalidade é essencial como forma de…

O Silêncio

Colocado por Pedro Elias a outubro 15, 2015

O Silêncio

O silêncio é a nota profunda e imaculada do nosso estado original. É a Voz da eternidade debruçada sobre o tempo; um doce murmúrio que Deus sussurra em nosso ouvido. É uma suave fragrância da…

Um Lótus que se Abre

Colocado por Pedro Elias a outubro 15, 2015

Um Lótus que se Abre

«Na dormência das águas de um pântano estagnado, na bacidez torpe de um manto de água escura, uma flor brotou à superfície e abriu-se à luz do sol. Na doçura das suas pétalas delicadas, a…

A Nova Família

Colocado por Pedro Elias a outubro 09, 2015

A Nova Família

Uma nova forma de relacionamento entre dois seres, que em conjunto dão expressão a um casal, está aos poucos a despertar na consciência de muitos, não pelo desejo emocional de o concretizar mas pela nota…

Da Lei da Atração à Lei da Abundância

Enquanto seres encarnados todos nós estamos sujeitos a várias Leis. Desde as Leis materiais que tentam regular a vida dentro do universo manifestado, como é o caso da Lei do Carma, até às Leis Espirituais…

Do Grupo ao Contexto Grupal

Colocado por Pedro Elias a outubro 09, 2015

Do Grupo ao Contexto Grupal

Na trilha do discípulo, quando este busca o encontro consigo mesmo e depois com o cosmos, várias são as fases nesse caminhar. Depois do despertar para a sua condição de Ser Espiritual, depois do levantar…

Da Terapia à Cura

Colocado por Pedro Elias a outubro 09, 2015

Da Terapia à Cura

Cada vez mais se faz necessário a formação de curadores dentro da humanidade encarnada. Seres que despojados de qualquer vontade humana de curar, e entregues à vontade de Deus, possam funcionar como verdadeiros agentes dessa…

Da Canalização à Sintonização

Durante muito tempo, a forma mais usada pelas entidades de outros planos para fazerem chegar informação a esta realidade tridimensional era através da canalização. O ser encarnado funcionava como canal para transmitir a informação que…

A Consciência

Colocado por Pedro Elias a outubro 09, 2015

A Consciência

Vejo a Consciência como a dimensão Interna do Ser, a sua verdadeira identidade, aquilo que somos em Essência. Um Ser verdadeiramente consciente é aquele que está em plena sintonia com a sua Alma. Assim sendo,…

O Fim da Dualidade

Colocado por Pedro Elias a outubro 09, 2015

O Fim da Dualidade

“A luz e as trevas, a vida e a morte, as coisas da direita e aquelas da esquerda, elas são irmãs entre si. Não é possível que se separem. Por isso, nem os bons são…

Da Observação à Contemplação

Quantas não foram as vezes que dissemos para nós mesmos que somos seres despertos, seres que deixaram a ignorância de uma vida virada para as coisas materiais e passaram a se interessar por temáticas espirituais,…

A Verdade

Colocado por Pedro Elias a outubro 08, 2015

A Verdade

Certa vez um peregrino, na busca da Verdade, escalou uma montanha e ali ficou pedindo aos deuses que lhe mostrassem essa Verdade. Em resposta ao seu pedido, uma criança chegou junto de si e disse-lhe:…

Novos Trajes

Colocado por Pedro Elias a outubro 08, 2015

Novos Trajes

Certa vez, numa aldeia, vivia alguém em conflito com a vida que levava. A razão desse conflito vinha do cheiro que ele sentia em todos os lugares onde se encontrava. Um cheiro entranhado em tudo,…

Deixar Fluir

Colocado por Pedro Elias a outubro 08, 2015

Deixar Fluir

Em muitos seres existe hoje uma urgência, uma necessidade existencial de corrigir o mundo, de sarar as feridas de uma civilização esquecida de si mesma, distante dos propósitos maiores que a ela estavam destinados. Uma…

A Verdadeira Razão de Ser de uma Semente

Certa vez um forasteiro ao passar por uma estalagem, entrou e sentou-se numa das mesas. Uma jovem que ali servia aproximou-se, cumprimentando-o enquanto lhe entregava o menu. Este pediu uma refeição ligeira que a jovem…

Reflexões Espirituais para um Nova Terra - Entrevista

(Entrevista dada a Carla Neves, uma leitora do livro) Consideras este processo do Caminho Espiritual e da Evolução do Ser, como um processo natural? Ou seja, todos os seres percorrem este caminho, ou apenas os…

A Chave de Andrómeda - Entrevista

(entrevista realizada a convite da editora, quando do lançamento do livro em Novembro 2011)Quando pensávamos que íamos poder ler o último livro da trilogia do seu romance - “Memórias de um Despertar” e com ele…

Janelas entre dois Mundos - Entrevista

(esta entrevista foi realizada em 2010 pelo editor da revista Luz & Terra a quando do lançamento deste romance) Poderia-nos contar como surgiu a história deste romance?Este romance tem mais de 15 anos, escrito logo…

Murmúrios de um Tempo Anunciado - Entrevista

(Entrevista realizada logo após a edição do livro em 2006) Como surgiu a ideia para escrever este livro? Fazendo um pequeno trocadilho, eu diria que a ideia não me surgiu mas que eu é que…

O Arqueiro ZEN

Colocado por Pedro Elias a setembro 12, 2015

O Arqueiro ZEN

No silêncio do ser, na expressão terna desse momento que tudo pacifica quando aprendemos a não resistir à Vida, mas através desta fluir com o tempo e com o espaço, deixando que seja Ela a…

A Oração

Colocado por Pedro Elias a setembro 10, 2015

A Oração

A oração é um dos momentos de maior intimidade que um ser pode experimentar. É a respiração necessária para que, através da vontade, nos possamos ligar a Deus na espontaneidade de um coração que busca…

Dos Múltiplos Caminhos Certos ao único Caminho Verdadeiro

Certa vez alguém chegou junto de mim e confidenciou-me que uma pessoa amiga, de forma muito zelosa e genuinamente preocupada, lhe informara que tinha recebido uma mensagem de uma entidade espiritual que, ao fazer-se canalizar,…

Estados Gripais

Colocado por Pedro Elias a setembro 08, 2015

Estados Gripais

Vivemos tempos muito peculiares. Se no passado estivemos amordaçados sob o peso da moral religiosa, submersos pelos seus dogmas que condicionaram a plena expressão do Ser, hoje estamos no extremo oposto, construindo novos dogmas. Tentamos…

Amor Incondicional

Colocado por Pedro Elias a setembro 08, 2015

Amor Incondicional

O amor incondicional é como o pólen lançado ao vento, sem destino, sem morada, livre nos caminhos deixados em trilhos onde este se deixa conduzir, permitindo que o fluir desse vento o encaminhe aonde é…