Seja Bem-vindo(a)

Que possa reencontrar nestas páginas o Silêncio da Alma.


Aqui encontrarão múltiplas formas de expressão deste que vos escreve, reflexos de uma busca, em tempos persistente, de si mesmo, e agora apenas na partilha singela de quem já nada procura, pois a Vida contem em si tudo aquilo que existe, presente em cada instante, em cada respiração desta experiência humana onde nos percebemos.

Tudo aquilo que aqui encontrarem é apenas a pedra em bruto que as vossas mentes, servidas pelo martelo e o cinzel da sabedoria, deverão recriar à vossa própria imagem e semelhança, pois nenhum conhecimento, mesmo que sabedoria no coração daquele que o plasmou, deverá ser aceite sem uma reflexão que, por reflectir o que vem da Alma, nos permitirá crescer em consciências nesse desvelar continuo de nós próprios até que nada mais fique que não seja a própria Vida.

Essa Vida que é una, como é una a água que corre num fio contínuo pelo riacho, sem a separação em gotas que não existem; contornando as pedras do leito sem as demover, e com esse gesto lapidando-as em formas suaves e harmoniosas.

Que este pequeno recanto, no meio dos ruídos do mundo, possa ser um espelho que vos permita dialogar com a vossa própria Alma, desvelando um pouco mais desse aroma sagrado que vos habita e que contem tudo aquilo que são de mais Belo e mais Puro.

PAX,
Pedro Elias


Música: Comptine D'un Autre Ete - Yann Tiersen

Um livro especial que guardo no coração.

De todos os livros que escrevi, este foi o único que ficou. Todos os outros chegaram e partiram, mas este guardei-o sempre junto de mim. E a razão não é por ter sido o primeiro, nem por o ter escrito numa fase de grandes transformações, mas por sentir em cada página, em cada parágrafo, em cada palavra o som da minha própria Alma.

Enquanto os restantes livros que compõem a obra foram escritos pela necessidade de concluir a tarefa e passar a mensagem, este foi como um sopro vindo do mais profundo do meu ser que deixou um aroma que permanece.

Por brincadeira dizia a mim mesmo, muitas vezes, que este livro foi uma carta de amor que escrevi a alguém que nunca conheci, como mensagem numa garrafa de vidro que lançamos ao mar na esperança que chegue às únicas mãos que a poderão compreender, mas na verdade, essa carta nunca foi destinada a uma outra pessoa, mas sim à minha própria Alma que me tocou e me envolveu de forma doce e suave enquanto me embalava com a sua poesia e sabedoria profunda durante a escrita desta obra.

Todos os outros livros partiram e nada sei deles, mas este ficou e continua presente, como uma brisa no rosto que me conforta e me faz recordar as minhas origens, preenchendo-me desse Amor que todos somos e que nunca deixaremos de ser.

Últimos Artigos

No Silêncio eu Sou

No Silêncio... No Silêncio reencontro o Som que sempre soou sem que eu o ouvisse; aquele que ecoa dentro do…

A Revolução que mudou Portugal e o Mundo

Estava sentada sobre o tapete, pensando na segurança que aquela pequena casa de montanha sempre me dera. Era ali que…

A História Oculta de Portugal

Caminhava por um jardim imenso, de tons predominantemente azuis, com Madalena a meu lado. A Maria não estava junto de…

Sejamos Árvores

Como acabar com a dualidade continuando a viver no mundo? Como fazer com que o jogo do bem e do…